www.elianeaccioly.net

VIDA SE FAZ POR CONTÁGIO

Meu Diário
25/01/2011 13h17
Desconfie das mães...
 
reúno aliados:
do cordeiro a ciência
da tartaruga, azáfama
e a tortura do bicho preguiça
 
qual entre as mulheres,
a culpada mor?
 
a mãe, quem mais seria?
quem sabe Maria Madalena?
só tivesse sido mãe e,
isso, quem é que sabe
 
nas mães, o céu e o inferno
Pandora El Bosco e o terceiro seio
se perseguem e se misturam
 
mãe, você não me deu!
só deu-me dois,
quero o terceiro!
 
clamam filhas furibundas
dividindo e divididas
entre o inferno e o céu
 
muito diabo amarrado
 
 
pergunto-me
 
:quem inventou o falatório?
o homem ou a mulher?
ora, quem? a mãe

Publicado por Eliane Accioly em 25/01/2011 às 13h17
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
20/03/2010 19h24
Família _ 2003
Araguari veio hoje em casa almoçar: mamãe, tios, primos, filhas, genros, netos.
Senti uma linha fina e esticada, ou várias linhas de tensão se cruzando, invisíveis. Tensões familiares. O ambiente parecia bom, todos conversavam e riam. Mas me parecia que a qualquer hora, a qualquer palavra um conflito podia pipocar.

No casamento de Adriana o encontro com meus primos _ não a continuação, um novo encontro. O que aconteceu em mim para ser possível?


Publicado por Eliane Accioly em 20/03/2010 às 19h24
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
20/03/2010 19h20
Corpo viajeiro
Pouca bagagem.
A importância pessoal é muito trabalhosa.



Publicado por Eliane Accioly em 20/03/2010 às 19h20
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
20/03/2010 19h04
Desenhos e trabalhos manuais _ 2003
1 - persegui primeiro o movimento.

2 - persegui a proporção.

3 - descobri que há uma outra temporalidade.

4 - concentração e silêncio; conversas distraídas, não discursivas.

5 - a busca da solução de problemas, para fazer o desenho.

6 - necessidade de observação, constatações.

7 - nos bonecos com estrutura - anatomia, formas, esqueletos. (oficina com Marcia e mario Brito).


Publicado por Eliane Accioly em 20/03/2010 às 19h04
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
 
20/03/2010 18h34
Lutas em 2003
Revendo meu diário, 2003 foi um ano de lutas. Fui à Madri também em maio, ver minha filha.

Os trabalhos de separação com F., com H. e com mamãe. Demorei pra sair dos grupos de que queria sair, fui trabalhando ponto a ponto. Comecei a desenhar. Formas dentro de formas _ o que  acontecia comigo _ uma sair de dentro da (s) outra(s). Trabalhar no consultório me ajudou.

Fiz o seminário de Carlos Castaneda _ grupos de tensigridade. Na USP.

Foi o ano que F. engravidou. Fez o quarto para a filha, uma reforma em casa. Reforma que cavou e levantou pedra por pedra. Ficou ótimo o lugar do bebê. 

Deixar o corpo saber. Um saber maior ao qual me entregar.

Comecei a descobrir que pessoas não podem me prender, meus hábitos sim.

"F, vamos transformar nossas mágoas em milagres?"

SONHO: Sonhei com a casa da vovó. Todos morávamos lá. Eu amava mamãe. Quebra um gradil do mesanino, e não havia dinheiro pra concertar. Eu era criança.

Em 2003 fomos passar uma semana em Fernando de Noronha.

Paula veio ao Brasil com Lucca.

Sonhei em outubro com minha preocupação com C.

Ano difícil com H. e mamãe.

ganhando espaço com J., no casamento: teatro de máscaras.

Fui para o México, convidada pelo movimento da Mulheres Poetas.

Ser poeta é estranhar e criar estranhamento. A arte é artifícios. O menor e não o maior; a cozinha e não a sala de visitas. Natureza e cultura, a natureza humana.

Alicia traduziu para mim o texto te´rico que levei para o México.

Flavia vai ter uma menina, uma ursinha branca.

Começo a usar aparelho para ouvir.

Casaram Adriana, filha do Paula, e a filha do Marco S.

Trabalho de reconquista de F. Até hoje sofro não ter estadolá no nasci mento de A. Nasceu o João, neto de A.

Engraçado, em 2003 falava já na mudança que estamos fazendo em 2010, para a São Carlos do Pinhal. Em 2003 doía mais que agora, me trabalhei bastante. Vejo diferenças entre o que leio e o que sinto hoje em 2010.

Nasce Helena, neta da Sonia.

Oa Atravessadores susgem mais ou menos em novembro.

Eleusa esteve aqui em São paulo conosco. Comprou muitos pares de sapatos, em Moema. Fomos na casa de mamãe e H.

Preocupações com saúde de C.

J. deprimido.

Meu medo atávico de ser roubada. Os $US 200,00. E o moleton velho...

Fazendo o luto pelas mudanças que viriam: o ap do G., e a nova mudança. Começamos a nos desfazer do G. Tive atritos com minhas filhas.

Ano em que o grupo com RF e AL se desfazia por completo.

Nasce Lorenzo.

Aninha passa das fraldas para a calcinha. Tem colite.

Quando esqueço a receita do bolo de nozes...Vivi um fiasco, natal An.






Publicado por Eliane Accioly em 20/03/2010 às 18h34
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Página 2 de 4 1 2 3 4 [«anterior] [próxima»]

Site do Escritor criado por Recanto das Letras