www.elianeaccioly.net

VIDA SE FAZ POR CONTÁGIO

Textos

Uma crônica
Uma crônica

Neste agora ela é mais esquecimento que lembranças. Do que se lembra? Do que se esquece? A sensação regente é real, como o vento que entra pela janela aberta. É como uma notícia que chega e conta que ela se esquece de expressões e palavras de sua infância, regionais, há pouco frescas como fruta ao ponto de comer em pé de árvore, ao alcance.   O esquecimento a esvazia. O silêncio traz o oco fundo. Escorrega em paredes duras e arredondadas, e as abençoa, sentindo-se abençoada.  Não ser o que foi a desconcerta e a desconhece de si e dos outros.  Vagas nostálgicas batem nela e a arrancam da falésia onde se agarrava.  Em seu corpo nascem guelras e barbatanas. Em seus sonhos cobras deixam para trás as velhas peles, e um pardal se incendeia e renasce.  Estranha suas filhas, três mulheres desconhecidas como ela mesma, ou seja, como ela-outra.
Três vezes ao dia os ponteiros do relógio são uma linha reta tendendo ao infinito, apenas por um instante.
Eliane Accioly
Enviado por Eliane Accioly em 16/06/2012
Alterado em 28/10/2012


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras