www.elianeaccioly.net

VIDA SE FAZ POR CONTÁGIO

Textos

Resenha do filme fracês: Amor
de Eliane Accioly
(Amour) Direção: Michael Haneke.
Elenco: Jean-Louis Trintignant, Emanuelle Riva, Isabelle Huppert, Alexandre Tharaud e Willian Shimell.


Um pequeno derrame pode mudar uma vida, vidas, assim como revelar a real precariedade e fragilidade do ser humano, em cada um de nós ao nascimento, mas que teimamos em negar, nos sentindo poderosos. E nada poderia ser pior que a ilusão do poder. Temos a precariedade de ser humano, cada um de nós, reconheçamos ou não. E assim, seria importante reconhecer a precariedade de nossos jeitos de viver, da vida em comum, da vida em família. Terrificante, não é?


O filme é primoroso. Sem uma pitada falsa de açucar. Impressionante imaginar que este filme tenha sido criado, e de que se encontre  à disposição de cada um de nós que queira e se disponha a assistí-lo. O diretor é uma pessoa extremamente sensível e verdadeira, um artista, e entre os atores, se distingue acima o par: Trintignante X Riva.


Casal de octogenários que vivia harmonicamente o curso de suas vidas, ou da vida em comum muito bem plantada pelos dois. Se amaram desde sempre, verdadeiros em sua força de vida, chegando à velhice cercados daqueles que frequentaram e ajudaram a crescer, assim como pelas coisas que adquiram durante a vida livros, quadros, e outros objetos desde artísticos, à louça de cozinha.  Faziam a própria comida e nas refeições tomavam vinho, como parte inclusa do prazer de cozinhar e compartilhar. Ambos professores de música, próximos de pessoas que os  respeitavam e admiravam. Uma filha, um genro e netos mais distantes, cada qual com sua vida, até porque o casal de velhos se bastava. O que não significa ser bom, apenas era assim. Até o incidente que os atravessa e os devassa.


Anne não aceita seu estado, tendente a piorar, segundo os médicos, e constatado pelo dia a dia do casal. Ele se fecha no pedido da mulher, que não a deixe parar em hospitais ou em asilos! Cuidadoras são dispensadas, a filha não é escutada.

Para não invadir o filme forte e delicado, vou contar da pomba sem desconfiômetro, que invade o apartamento dos velhos senhores, costumeiramente. A pomba passeia por ali, como se o espaço fosse dela. O território de uma pomba, é assim como o de um cão. O território é deles, e os que ali se encontram, pertencem aos donos do território. No caso não é um cão, mas uma pomba.

Vale a pena ver o filme, e apreciar o que ele revela do real e do simbólico. Paradoxos e dimensões humanas, de cada um de nós.
Eliane Accioly
Enviado por Eliane Accioly em 28/01/2013
Alterado em 28/01/2013


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras